S.Alberti Design

Projetos Web / Direção de Arte / Design de Interação

Book Art: primeiro Sketchbook 13/10/2011

book_art

O termo sketchbook (sketch = esboço) significa algo como “um caderno de esboços”. Frequentemente utilizado pelos artistas para desenhar ou pintar como uma parte do seu processo criativo. Chamado por alguns como “livro de artista”, trata-se de um canal onde a criatividade pode ser expressa em toda sua plenitude, sem amarras ou idéias pré-concebidas.

» Este é o primeiro sketchbook criado por Sergio Alberti, onde ele apropriou-se de um elemento bem antigo e raro (um velho álbum de discos de vinil) transformando-o em suporte para suas ideias. Nele estão registradas suas emoções como um artista gráfico que faz design.

Trecho caligrafado: “Cântico”, poesia de Vinicius de Moraes.

Anúncios
 

Projeto acadêmico – Abertura programa TVE 12/10/2011

storyboard_tve_corta!

Storyboard da abertura de programa (fictício) sobre curtas e cinema amador, a ser exibido pela TV Brasil (antiga TVE). Grande parte da concepção gráfica foi feita manualmente (uso de papel, tinta-nanquim e colagem) e depois montada no computador. O projeto teve destaque na época e foi cotado para ser publicado no portfólio da faculdade.

 

Palestra NDesign (Brasília) – “Arte da Aurora: ilustrações sobre a poesia de Vinicius de Moraes” 01/10/2011

apresentacao_ndesign

A apresentação aconteceu no dia 3 de julho de 2006, no Auditório de Música da Universidade de Brasília (UnB), durante o “16º NDesign“, para um auditório lotado. Com a criação do projeto gráfico para um livro de poesias fui um dos 24 trabalhos selecionados entre as mais de 80 inscrições de graduandos de todo o país. Pranchas de exibição desse projeto entraram também em exposição, que aconteceu na Biblioteca Central (BCE) da mesma UnB.

Com ele, também representei a UniverCidade no concurso “RIOnovosDESIGNERS III”, durante a semana “RIOfazDESIGN”, que é promovida pelo Governo do Estado do RJ e apoiada pelo SENAC-Rio.

 

Material de trabalho 30/09/2010

foto_pena

Essa pena (detalhe da etiqueta da Casa Cruz) é a minha cúmplice nos momentos de criação…

 

Projeto Pessoal – “Caligrafia”

arte_caligrafica_mulher

Estudo caligráfico (em nanquim) sobre fotografia.

 

Projeto Pessoal – “Experimente viver” 30/09/2008

arte_caligrafica_plantabaixa

“OS MEDOS, TRAVESTIDOS DE DOGMAS, bloqueiam a criatividade, criando desafios para viver plenamente a sua existência. Não existem desafios intransponíveis. Existem caminhos.

Existe o caminho da razão e o caminho do coração. Escolha o caminho do DISCERNIMENTO.

Nem difícil, nem fácil. O caminho da REALIZAÇÃO.

Nem certo, nem errado. O caminho da CONFIANÇA.

Nem sucesso, nem fracasso. O caminho da PLENITUDE.

Todos os seres humanos são criadores por natureza, mas por submeter-se preconceituosamente aos dogmas promovem a ignorância e disseminam a escravidão.

A existência não cria criaturas, mas criadores. Todos são criadores. Todos criam o próprio destino, a própria realidade. Todos podemos criar e recriar. Recriar e criar livremente. Este é o grande jogo da vida. O maior dom que todos têm. O dom de recriar a sua vida. Assuma o compromisso com a felicidade, o amor e a realização.”

“Você tem seus pincéis e suas tintas, pinte o paraíso e depois entre!”

(Texto e frase de autores desconhecidos).

» Nessa ilustração, bem experimental, utilizei-me de colagem manual, tinta, nanquim e fotografia para expressar um momento pelo qual passava, de dúvida, de “que caminho devo seguir?” O detalhe tipográfico é o fragmento de um poema de Vinicius de Moraes, caligrafado por mim.

 

Projeto pessoal – “Carpe Diem” 28/09/2008

arte_carpediem

AME-SE CADA DIA MAIS.

“Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato. E, então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome… AUTO-ESTIMA.

Pude perceber que a minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra as minhas verdades. Hoje sei que isso é ser… AUTÊNTICO.

Parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribuiu para o meu crescimento. Hoje chamo isso de… AMADURECIMENTO.

Comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar uma situação ou alguém, apenas para realizar aquilo que desejo mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é… RESPEITO.

Comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, crenças, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início, minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que se chama… AMOR PRÓPRIO.

Deixei de temer meu tempo livre e desistir de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalómanos de futuro. Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é saber viver a vida… INTENSAMENTE.

Desisti de querer ter sempre razão e, errei muito menos vezes. Hoje descobri a … HUMILDADE.

Desisti de ficar revivendo o passado e me preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez… PLENAMENTE.

Percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.”

(Inspirada mensagem postada por uma pessoa anônima em uma comunidade do Orkut).

“Assim que você pensar que sabe como são realmente as coisas, descubra outra maneira de olhar para elas”.

(Frase retirada do filme “A Sociedade dos Poetas Mortos”, que me inspirou nessa ilustração).